A noite canta os seus cantos

de Jon Fosse

Prémio Nobel da Literatura 2023, Jon Fosse é um dramaturgo norueguês, distinguido pela Academia pelas suas peças de teatro e prosa inovadoras que “dão voz ao indizível”.

 

Em A noite canta os seus cantos há amor e morte. Trágico e cómico. Realismo e estilização. Nos quatro andamentos da peça, um relógio de parede aponta com precisão o momento do início da ação. E o tempo decorre. Lento? Rápido? É de tarde. Depressa cai a noite. E é de madrugada que se ouve um tiro. Passaram-se treze horas e pouco entre uma vulgar cena conjugal e o suicídio do jovem marido, escritor frustrado e atraiçoado. Foi a noite com os seus cantos.

 

Vindo de Ibsen (e de Tchekov: um Treplev sem sonhos?), Jon Fosse conta uma história de amor. A morte faz parte, como faz parte o riso e a lágrima, o mais cerrado realismo psicológico e o desconcerto dum gesto, duma proferição ou dum movimento inesperado.

Ficha técnica e artística

Texto: Jon Fosse
Tradução: Pedro Fernandes e Manuel Resende
Encenação: Luís Varela
Cenografia e figurinos: José Carlos Faria
Desenho de luz: Filipe Seixas
Interpretação: Carolina Carvalhais, David Meco, Filipe Seixas, Rolando Galhardas e Sandra Serra
Construção: Fabrice Ziegler
Eletrónica: Paulo Marques
Operação Técnica: André Batista/Fabrice Ziegler
Fotografia: Fabrice Ziegler
Vídeo: Rolando Galhardas
Cartaz e Design Gráfico: André Batista
Produção: André Batista
Assistente de produção: Marisela Terra
Assistente de montagem: Francisco Moquenco
Comunicação: Sandra Serra
Gestão: Rui Ramos

Duração: 80 min (aprox.)
Classificação: M/14 anos

→ Dossier